Cuidando da saúde do bolso

O Ibope Mídia divulgou na segunda semana de outubro a pesquisa chamada “O Consumidor do Século XXI” e conclui que 21% das brasileiras vão às compras para se sentirem mais calmas e felizes. O levantamento ouviu 3.400 pessoas em 11 regiões metropolitanas do Brasil e concluiu que a população gasta, em média, 15% da renda familiar com compras pessoais – principalmente roupas, no caso das mulheres. Segundo a Organização Mundial de Saúde, cerca de 1% da humanidade sofre de compulsão por gastar

A maioria de nós já deve ter ouvido a frase “vou ao shopping para fazer minha terapia do cartão de credito”. Bem comum na sociedade, a atitude parte geralmente das mulheres, que, muito diferente dos homens, adoram passar horas andando de lá pra cá dentro do shopping. Um comportamento típico da estrutura psicológica feminina – gastar, gastar e gastar.

O psicólogo Alexandre Bez, especializado em ansiedade e síndrome do pânico pela Universidade da Califórnia (UCLA), e relacionamento pela Universidade de Miami, na Flórida, explica que o ato compulsivo do ser humano se encaixa dentro dos 16 tipos de mecanismos de auto-defesa da estrutura do ego, dentre eles a compensação. Um ato inconsciente, que momentaneamente causa prazer e satisfação, mas que não proporciona nada além disso.

Por que gastar o que pode e o que não pode?
Todo ser humano passa por problemas durante sua vida. Inconscientemente, procura compensar esses problemas em algo que lhe dê prazer. Ou seja, ações inconscientes que diminuem a ansiedade ou a angústia, tendo como fator desencadeante, por exemplo, um namoro ou casamento desgastado, problemas no trabalho, falta de dinheiro, impossibilidade de realizar um grande sonho.

Essa atitude compulsiva é explicada pela psicanálise e se encaixa dentro dos 16 tipos de mecanismos de auto-defesa do ser humano, dentre eles a compensação, um comportamento inconsciente que momentaneamente causa prazer. “A compensação pode ser encarada como compulsão de nível leve e daí podemos identificar que a pessoa passa por algum conflito interno”, afirma Bez.

O ego (responsábel por nossa estrutura de personalidade), quando passa por algum conflito, desestrutura a pessoa, levando a ter atitudes que visam somente a satisfação, dando origem ao que os psicologos chamam de mecanismo de compensação.

A compensação é um comportamento típico da estrutura de defesa, muito comum na estrutura psicológica feminina. As mulheres, por serem muito vaidosas, buscam a auto-afirmação mais que os homens. “Por uma questão de personalidade, elas estão mais dispostas a gastar e comprar o que muitas vezes não precisam, como, por exemplo, “todas” as novidades em cosméticos e produtos para beleza”, explica o psicólogo.

“A compulsão por gastar, nas mulheres, muitas vezes está ligada ao prazer no sexo. Em casais que a relação sexual não anda bem ou em que o prazer é quase nulo, é comum que elas procurem “resolver” esse problema de carência na loja mais próxima”, explica Bez.

Os homens e a relação com o dinheiro
De acordo com o psicólogo, a cada dez pessoas que gastam por compulsão, 9 são mulheres. “Os homens não são tão comedidos assim. Mas, em geral, suas aquisições são mais planejadas e os objetos são os eletrônicos ou automóveis”, afirma. Dependendo do caráter, ele pode enveredar para gastos com a bebida e também compensar seus conflitos nos jogos de azar. Quando há alguma desilusão amorosa, a tendência do sexo masculino é compensar suas emoções com o sexo pago. “Ou ele procura ambientes com bebidas e muitos amigos para farrear ou vai atrás de prostitutas para amenizar a dor”, explica o psicólogo.
Bez diz ainda que, em média, por volta dos 21 anos, quando o jovem já costuma ter autonomia sobre o dinheiro, é que as compulsões e gastos excessivos podem surgir.

O brasileiro não sabe poupar
Os brasileiros, independentes da classe social, apresentam a famosa compulsão por gastar. Um fato curioso é que a compensação dos problemas financeiros também é resolvida com dinheiro. “Gasta-se mais na tentativa de esquecer as dívidas. Isso talvez explique a dificuldade da nação em sanar suas dívidas e conseguir dar a volta por cima”, diz Bez.

Diferente de alguns países da Europa, EUA e Japão, o Brasil não viveu grandes guerras e por isso não vê a necessidade por poupar e também não transmite para novas gerações esse hábito. “Nosso país infelizmente ainda vive em função do primeiro mundo, a maioria das marcas que fazem sucesso aqui são as importadas”, diz.

Dicas para se manter longe das dívidas
– Afaste a tentação. Não adquira cartões de crédito. Eles estimulam o gasto e criam a falsa impressão de se tem muito dinheiro.
– Tenha alguém de confiança para cuidar de sua conta bancária, que consiga alertar para gastos excessivos e desnecessários.
– Tente se policiar, analise se a aquisição é realmente necessária.
– Mantenha somente uma pequena quantia de dinheiro na carteira.
– Procure não entrar em financiamentos com muitas parcelas e assumir dívidas. Ao final do mês, elas irão se acumular e o dinheiro poderá faltar.
– Quando a tentação surgir, ligue para os amigos e faça ações simples que lhe distraiam, como pintar, conversar ao telefone, ver um filme.
– Para as mulheres, uma dica coringa: pelo menos uma vez por mês coloque o guarda-roupa a baixo, assim lembrarão quantas peças possuem e podem aprender combiná-las entre si.

Anúncios

Uma resposta

  1. De ja vú….rsrsrs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: