Consultas e exames gratuitos para advogadas, estagiárias e esposas de advogados

ibirapueraA Caixa de Assistência dos Advogados de São Paulo (CAASP) dá início no dia 13 de outubro a mais uma edição da Campanha de Saúde da Advogada, que visa a prevenir doenças tipicamente femininas, como câncer de mama, câncer de colo do útero e osteoporose.

As advogadas poderão fazer exames de papanicolaou, papanicolaou, ce densitometria óssea; submeter-se a consulta com ginecologista e, se necessário, passar por exames complementares. A relação de médicos e laboratórios referenciados está sendo definida e será publicada no site da CAASP (www.caasp.org.br). As guias deverão ser retiradas na sede da CAASP,em suas Regionais e Espaços ou nas subseções da OAB-SP.

A exemplo das edições anteriores, a campanha será aberta a advogadas e estagiárias inscritas na OAB-SP e em dia com sua anuidade, bem como às esposas dos advogados nas mesmas condições. Os procedimentos serão parcialmente subsidiados pela Caixa de Assistência.

A todas as participantes será oferecido um pacote médico com os procedimentos adequados a cada faixa etária. Segundo o diretor da Área Médica da Caixa de Assistência, Jairo Haber, “o rol de exames disponibilizados, bem como sua aplicação por faixas etárias, segue rigorosa orientação de médicos ginecologistas”.

CALENDÁRIO
Exames laboratoriais: de 13 de outubro a 7 de novembro
Consultas: até 21 de novembro
Exames complementares: até 5 de dezembro

Anúncios

Câncer de cólo do útero mata seis vezes mais no Brasil

Em 2008, cerca de 18.680 mulheres receberam, no País, o diagnóstico de câncer de colo de útero – de acordo com o Inca. Embora seja passível de prevenção e detecção precoce, a doença mata 6 vezes mais no Brasil que em países desenvolvidos, como a Inglaterra e os Estados Unidos. Isso porque essas nações já implementaram programas competentes para rastreamento da patologia, com exame de citologia ou Papanicolau, e com tratamento precoce das lesões precursoras do câncer, o que diminuiu em até 70% a mortalidade.

Os médicos consideram a mortalidade por câncer de colo de útero um importante indicador de desenvolvimento social, comparável à mortalidade infantil. “As principais vítimas são mulheres pobres, em idade reprodutiva e que não têm acesso a serviços básicos de atenção à saúde ou que, quando realizam o exame, demoram a retornar ou jamais retornam para tratamento”, informa o oncologista João Nunes, do Centro de Câncer de Brasília. “No Distrito Federal, para se ter uma idéia, estudo mostrou que 18% das mulheres entre 25 e 59 anos não realizaram o exame Papanicolau nos últimos anos”, destaca o especialista.

 Quando se aborda o câncer de colo de útero é inevitável falar do Papiloma Vírus Humano. “Cerca de 99% dos casos da doença estão relacionados ao vírus conhecido como HPV – mais especificamente a alguns subtipos considerados de alto risco”, explica Dr. Nunes.

Mais uma vez, o Papanicolau aparece como o caminho ideal para a identificação precoce. “Toda mulher deve obrigatoriamente realizar o exame uma vez por ano, desde o início da vida sexual. O intervalo entre um exame e outro pode ser reduzido dependendo de alguns aspectos, tais como: presença de lesões e determinados hábitos sexuais. Vale destacar que a maioria das infecções por HPV não apresenta sintomas (lesões ou verrugas)”, enfatiza o oncologista.

Para prevenção, o uso do preservativo é eficaz, uma vez que a transmissão se dá por via sexual. Outra importante forma de prevenção é a vacina anti-HPV. “Ela se destina a mulheres de 9 a 26 anos que não entraram em contato com os subtipos de alto-risco do vírus. Estamos otimistas, pois a expectativa é de que a vacina venha a evitar, no futuro, 70 % dos cânceres de colo uterino”, antecipa Dr. Nunes.