Distúrbios alimentares atingem 10 mulheres para cada homem

disturbioOs distúrbios alimentares, como anorexia e bulimia, já são a terceira doença crônica mais comum entre adolescentes, atrás apenas da obesidade e da asma. Estudos de universidades internacionais prevêem que cerca de 2% da população sofra com esse tipo de problema, em mesma proporção entre homens e mulheres até a puberdade, e depois, com predomínio feminino, de 10 mulheres para um homem.

“O distúrbio geralmente se inicia na adolescência e se desenvolve pela exposição do adolescente a constantes situações de estresse. Não existe uma causa definida, mas sabe-se que existe uma interação entre fatores genéticos, psicossociais e sócio-culturais”, diz o endocrinologista do Delboni Auriemo Medicina Diagnóstica/DASA, Dr. Frederico Marchisotti. Segundo o especialista, adolescentes são influenciados pelos colegas, pela mídia e pelo ambiente familiar no que tange a seus hábitos alimentares.

A anorexia é causada pela limitação da ingestão de alimentos devido à obsessão pela magreza e o medo patológico de ganhar peso. “O anoréxico mantém um peso corporal abaixo do normal mínimo para sua idade e altura e não acata a idéia de que está mais magro que o normal”, afirma o especialista. Já a bulimia é um distúrbio que tende a apresentar períodos em que se alimenta em excesso, muito mais do que a maioria das pessoas conseguiriam se alimentar em um determinado espaço de tempo, seguidos pelo sentimento de culpa, com a provocação de vômitos e ingestão de purgantes e diuréticos. “Um mesmo paciente pode apresentar fases de anorexia e fases de bulimia durante o transcorrer de sua doença”, explica.

O perfil do adolescente portador de distúrbio alimentar é de uma pessoa ativa, muitas vezes engajada em trabalhos voluntários, líder da turma, perfeccionista. Comportamento obscessivo-compulsivo e depressão também estão associados ao quadro. Abuso de álcool e drogas também são comuns.

O reconhecimento da anorexia pode ser feito através da observação de alguns comportamentos como o de reduzir a quantidade da refeição, “pular” refeições, desprezar a comida por debaixo da mesa, exercícios compulsivos, vômitos, medo exagerado de ganhar peso e baixa auto-estima. “A falta de menstruação nas meninas é também um sinal comum”, fala o endocrinologista. Já a queda da energia, baixo rendimento escolar e dificuldade de realizar exercícios sinalizam para quadro um pouco mais avançado da doença. Segundo Marchisotti, “o aspecto caquético do corpo é muitas vezes mascarado pelo uso de roupas largas. Cabelos finos e sem brilho, fraqueza, apatia e lentidão de raciocínio e movimentos também compõem o quadro”.

Como consequência, devido à nutrição inadequada, o adolescente com anorexia apresenta além do baixo peso, deficiência de crescimento e atraso no desenvolvimento da puberdade. O arrastar do quadro pode levar a um adulto baixo e com dificuldades de fertilidade. A falta de cálcio nesta idade pode levar a osteoporose no futuro, visto ser nesta época que os ossos adquirem seu pico de densidade mineral.

“A participação familiar é vital para a recuperação do paciente e a terapia familiar, para que os pais entendam como lidar com o filho portador de distúrbio alimentar, isso muitas vezes auxilia na obtenção de bons resultados. Não adianta tratar apenas o físico, é necessário também mudar a distorção psicológica de imagem corporal que o paciente apresenta em relação ao seu peso”, afirma o médico. Recorrências não são raras durante a adolescência, principalmente em situações de estresse, o que requer um monitoramento de longo prazo. Aproximadamente 40% dos anoréxicos se recuperam completamente, 35% melhoram bastante, mas continuam com alguma característica da doença, 20% sofrem de doença crônica e severa e 5% morrem.

Mulheres vivem mais que homens

idosaEmbora nasçam mais homens do que mulheres no Brasil, as pessoas do sexo feminino vivem mais. Foi o que constatou a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2007, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostra que o percentual de mulheres com 40 anos de idade ou mais no ano passado, era de 34,7% e de homens, 31,5%. Já na faixa etária mais jovem, de até 4 anos, as mulheres respondiam por 7% da população, enquanto os homens representavam 7,7%.

Em 2007, as mulheres correspondiam a 51,2% da população residente no país e os homens, a 48,8%. Ainda de acordo com a Pnad, não houve mudança significativa na distribuição por sexo da população residente em comparação a 2006. Naquele ano, 51,3% da população era do sexo feminino e 48,7%, do masculino.

A expectativa de vida subiu para todos, mas as mulheres vivem, em média, sete anos mais do que os homens, sendo que elas necessitam de cuidados bem antes do que eles. À partir dos 80 anos, 39% das mulheres precisam de ajuda para as atividades diárias, enquanto apenas 26% dos homens precisam de auxilio para as mesmas atividades.

Começa amanhã o Só Para Mulheres 2008

Começa amanhã (24/10) e vai até o dia 26 de outubro a Feira Só Para Mulheres – Encontro Nacional da Mulher Moderna. A feira contará com:

  • Brinquedoteca – espaço para as crianças não pentelharem suas mamães 
  • Espaço Boa Ação – para divulgação de Projetos e ONGs
  • Fóruns de palestras – sobre amor , bem-estar, beleza, comportamento , espiritualidade, investimento, relacionamento sexo e muita informação de qualidade.
  • Maridódromo – espaço reservado para homens – também para não pentelharem suas garotas
  • Sala de Bem-Estar – prática de atividades físicas
  • Sala íntima – espaço com informações sobre sexualidade feminina
  • Oficinas sobre empreendorismo e beleza.
  • O melhor é que a entrada é gratuita, inclusive para as palestras. Confira as palestras que vão rolar por lá aqui.

    A Feira Só Para Mulheres acontece de 24 a 26 de outubro no Anhembi, em São Paulo (SP).
    Endereço: Av. Olavo Fontoura, 1029 – Parque Anhembi
    Horário: das 13h às 20h
    Informações: (11) 5585-4355
    www.spsoparamulheres.com.br

    Sabonete íntimo ainda é pouco usado

    O uso de sabonetes íntimos femininos ainda é um hábito pouco adotado pelas brasileiras. Apenas 18% delas utilizam esse tipo de produto com regularidade. O dado se explica porque muitas mulheres desconhecem seus benefícios e acreditam que seu uso contínuo não é recomendado. Segundo especialistas, o objetivo do sabonete íntimo é substituir o normal, que por não ser específico para uma região mais delicada pode causar alguns problemas.

    De acordo com a Dra. Luciana Crema, ginecologista da  Universidade Federal De São Paulo (Unifesp), o sabonete normal, por ser alcalino, pode causar irritações e desequilíbrio do pH vaginal, que é naturalmente ácido. “Mesmo os sabonetes neutros não são indicados. Eles são formulados para a limpeza da pele, sendo agressivos à delicada superfície da região íntima. Hoje dispomos de produtos compostos por substâncias que respeitam as propriedades naturais do local por possuírem pH ácido – semelhante ao pH natural da região -, tais como ácido lático e soro de leite”.

    Uso constante de salto alto pode ocasionar problemas ortopédicos

    Marco da elegância e charme feminino, o salto alto também pode ser um vilão para a saúde da mulher. O uso contínuo desse tipo de sapato acarreta inúmeros problemas na coluna, joelhos e pés. O que ocorre na maioria dos casos é o encurtamento do tendão de Aquiles – tecido que conecta o osso do calcanhar e o músculo da panturrilha.Com o salto alto os dedos são forçados, pois o peso do corpo fica concentrado neles tirando a total participação do calcanhar, o que gera mais desconforto e problemas, principalmente dores na região da frente do pé.

    Segundo o Dr. Rene Abdalla, ortopedista do HCor – Hospital do Coração, o número de mulheres com lesões de joelho cresceu nos últimos três anos. “O uso de sapato inadequado, especialmente o de salto alto e bico fino, pode desencadear uma série de danos de ordem funcional e estrutural em curto e médio prazo”, explica.

    O ortopedista ainda faz um alerta. “A tendinite de aquiles ou de calcâneo intensifica a presença de dor na parte de trás da perna, praticamente imobilizando a paciente por um período que pode levar de alguns minutos até dias. A dor indica inflamação desse que é o tendão mais potente do corpo humano”, acrescenta.

    O pé funciona como uma alavanca impulsionada pelos dedos, que precisam de espaço para se movimentar e garantir a troca de passos. Mas, quando estão apertados dentro dos sapatos, perdem a força de arranque e favorecem a pressão inadequada e a formação de calosidades.

    Apesar de todas as críticas aos sapatos de salto alto, como a gente bem sabe, é impossível deixar de usá-lo. Entretanto, para que o uso não seja totalmente proibido, tem de haver uma certa coerência. Dr. Abdalla, que realiza mais de 600 cirurgias de joelho por ano, recomenda algumas modificações, a fim dos problemas diminuírem e não contra-indicar seu uso.

    Problemas mais comuns
    – Encurtamento do tendão de aquiles;
    – Calos nos dedos;
    – Tendinites;
    – Má circulação – o que ocasiona varizes;
    – Dor na região da frente do pé.

    Sugestões
    – Alternar a altura do salto;
    – Preferir os saltos plataformas;
    – Após o uso do salto, massagear os pés;
    – Alongar a panturrilha;
    – Para longas distâncias prefira os saltos baixos ou o uso de tênis.

    Cuidando da saúde do bolso

    O Ibope Mídia divulgou na segunda semana de outubro a pesquisa chamada “O Consumidor do Século XXI” e conclui que 21% das brasileiras vão às compras para se sentirem mais calmas e felizes. O levantamento ouviu 3.400 pessoas em 11 regiões metropolitanas do Brasil e concluiu que a população gasta, em média, 15% da renda familiar com compras pessoais – principalmente roupas, no caso das mulheres. Segundo a Organização Mundial de Saúde, cerca de 1% da humanidade sofre de compulsão por gastar

    A maioria de nós já deve ter ouvido a frase “vou ao shopping para fazer minha terapia do cartão de credito”. Bem comum na sociedade, a atitude parte geralmente das mulheres, que, muito diferente dos homens, adoram passar horas andando de lá pra cá dentro do shopping. Um comportamento típico da estrutura psicológica feminina – gastar, gastar e gastar.

    O psicólogo Alexandre Bez, especializado em ansiedade e síndrome do pânico pela Universidade da Califórnia (UCLA), e relacionamento pela Universidade de Miami, na Flórida, explica que o ato compulsivo do ser humano se encaixa dentro dos 16 tipos de mecanismos de auto-defesa da estrutura do ego, dentre eles a compensação. Um ato inconsciente, que momentaneamente causa prazer e satisfação, mas que não proporciona nada além disso.

    Por que gastar o que pode e o que não pode?
    Todo ser humano passa por problemas durante sua vida. Inconscientemente, procura compensar esses problemas em algo que lhe dê prazer. Ou seja, ações inconscientes que diminuem a ansiedade ou a angústia, tendo como fator desencadeante, por exemplo, um namoro ou casamento desgastado, problemas no trabalho, falta de dinheiro, impossibilidade de realizar um grande sonho.

    Essa atitude compulsiva é explicada pela psicanálise e se encaixa dentro dos 16 tipos de mecanismos de auto-defesa do ser humano, dentre eles a compensação, um comportamento inconsciente que momentaneamente causa prazer. “A compensação pode ser encarada como compulsão de nível leve e daí podemos identificar que a pessoa passa por algum conflito interno”, afirma Bez.

    O ego (responsábel por nossa estrutura de personalidade), quando passa por algum conflito, desestrutura a pessoa, levando a ter atitudes que visam somente a satisfação, dando origem ao que os psicologos chamam de mecanismo de compensação.

    A compensação é um comportamento típico da estrutura de defesa, muito comum na estrutura psicológica feminina. As mulheres, por serem muito vaidosas, buscam a auto-afirmação mais que os homens. “Por uma questão de personalidade, elas estão mais dispostas a gastar e comprar o que muitas vezes não precisam, como, por exemplo, “todas” as novidades em cosméticos e produtos para beleza”, explica o psicólogo.

    “A compulsão por gastar, nas mulheres, muitas vezes está ligada ao prazer no sexo. Em casais que a relação sexual não anda bem ou em que o prazer é quase nulo, é comum que elas procurem “resolver” esse problema de carência na loja mais próxima”, explica Bez.

    Os homens e a relação com o dinheiro
    De acordo com o psicólogo, a cada dez pessoas que gastam por compulsão, 9 são mulheres. “Os homens não são tão comedidos assim. Mas, em geral, suas aquisições são mais planejadas e os objetos são os eletrônicos ou automóveis”, afirma. Dependendo do caráter, ele pode enveredar para gastos com a bebida e também compensar seus conflitos nos jogos de azar. Quando há alguma desilusão amorosa, a tendência do sexo masculino é compensar suas emoções com o sexo pago. “Ou ele procura ambientes com bebidas e muitos amigos para farrear ou vai atrás de prostitutas para amenizar a dor”, explica o psicólogo.
    Bez diz ainda que, em média, por volta dos 21 anos, quando o jovem já costuma ter autonomia sobre o dinheiro, é que as compulsões e gastos excessivos podem surgir.

    O brasileiro não sabe poupar
    Os brasileiros, independentes da classe social, apresentam a famosa compulsão por gastar. Um fato curioso é que a compensação dos problemas financeiros também é resolvida com dinheiro. “Gasta-se mais na tentativa de esquecer as dívidas. Isso talvez explique a dificuldade da nação em sanar suas dívidas e conseguir dar a volta por cima”, diz Bez.

    Diferente de alguns países da Europa, EUA e Japão, o Brasil não viveu grandes guerras e por isso não vê a necessidade por poupar e também não transmite para novas gerações esse hábito. “Nosso país infelizmente ainda vive em função do primeiro mundo, a maioria das marcas que fazem sucesso aqui são as importadas”, diz.

    Dicas para se manter longe das dívidas
    – Afaste a tentação. Não adquira cartões de crédito. Eles estimulam o gasto e criam a falsa impressão de se tem muito dinheiro.
    – Tenha alguém de confiança para cuidar de sua conta bancária, que consiga alertar para gastos excessivos e desnecessários.
    – Tente se policiar, analise se a aquisição é realmente necessária.
    – Mantenha somente uma pequena quantia de dinheiro na carteira.
    – Procure não entrar em financiamentos com muitas parcelas e assumir dívidas. Ao final do mês, elas irão se acumular e o dinheiro poderá faltar.
    – Quando a tentação surgir, ligue para os amigos e faça ações simples que lhe distraiam, como pintar, conversar ao telefone, ver um filme.
    – Para as mulheres, uma dica coringa: pelo menos uma vez por mês coloque o guarda-roupa a baixo, assim lembrarão quantas peças possuem e podem aprender combiná-las entre si.

    Técnica pioneira na Bahia ajuda a tratar HPV

    A laserterapia, técnica utilizada cada vez com maior sucesso no tratamento de doenças ginecológicas, tem se tornado um importante aliado no combate ao Papiloma Vírus Humano (HPV) e na prevenção de lesões pré-cancerígenas provocadas pelo vírus. O HPV, segundo a ginecologista Adriana de Oliveira Bruno, do Itaigara Memorial Hospital Dia, está relacionado com as verrugas e o câncer de colo de útero. Estimativas apontam que 75% dos homens e mulheres têm contato com o vírus em algum momento de suas vidas. No entanto, um pequeno número de pessoas desenvolve a doença, graças à defesa do sistema imunológico. “Contudo, se a infecção permanece por vários anos, existe maior risco de levar a alterações celulares e ao câncer”, explica ela.

    A médica é atualmente uma das três profissionais que utilizam a técnica de cirurgia a laser ou laserterapia na ginecologia, em Salvador (BA), e o Itaigara Memorial Hospital Dia é o único centro na Bahia a oferecer este tratamento. “A laserterapia é um método seguro com alta eficácia, mais conservador, feito freqüentemente em única sessão, com rápida cicatrização e preservação da anatomia do trato genital. Proporcionando às pacientes um rápido retorno às suas atividades normais”, relata a médica Adriana Bruno.

    De acordo com a especialista, existem pelo menos cem tipos de vírus que provocam o HPV. Destes, os denominados números 16 e 18 são responsáveis por 70% dos cânceres do colo do útero e o 6 e 11, responsáveis por 90% das verrugas, que é o sintoma mais comum, apesar destas infecções, normalmente, serem assintomáticas. “Por isso a importância de exames periódicos. A infecção HPV é freqüente, quase todas as pessoas terão contato com o vírus. Geralmente, esta infecção é passageira. Cerca de 90% das pessoas ficam livres do vírus em até dois anos”, afirma a médica.

    O câncer do colo do útero, o mais sério problema associado ao HPV, pode ser prevenido com exames preventivos e com tratamentos eficazes das lesões pré-malignas. “Continuem a fazer seus exames regularmente e se você sabe que tem HPV, pare de fumar. É cientificamente comprovado que o tabagismo aumenta o risco de progressão das lesões para o câncer. Um grande problema que vejo no consultório é o quanto este vírus pode abalar emocionalmente as mulheres e o quanto comprometem o bem estar emocional, muito mais que o físico”, afirma a ginecologista.

    Prevenção
    Atualmente já é possível fazer a prevenção do Papiloma Vírus Humano através das vacinas quadrivalente (contra os tipos 6, 11, 16 e 18) e a bivalente (contra os tipos 16 e 18). A vacina é segura e não está relacionada a nenhum efeito colateral sério, além de ter eficácia, em 100% de proteção para os cânceres associados aos tipos virais. A vacina é apenas preventiva e não tem nenhum poder curativo.

    A vacina é indicada antes que a primeira relação sexual ocorra. “Além do fato destas meninas não terem sido expostas ao vírus, através de relação sexual, os estudos mostraram que a respostas imunológicas são maiores para meninas jovens do que para as mulheres mais velhas. Importante ressaltar que todas as mulheres, mesmo vacinadas, devem continuar fazer seu exame preventivo anual”, aconselha Dra. Adriana.

    “A prevenção das lesões associadas ao vírus também é extremamente importante e deve ser feita através de exames preventivos, como o papanicolau. Este exame pode detectar lesões pré-malignas e assim tratá-las com sucesso, evitando a tempo o câncer de colo do útero”, afirma a ginecologista.

    Entre os avanços da medicina para a descoberta precoce do HPV, esta o teste DNA HPV, que pode detectar os 13 tipos virais mais comuns associados ao câncer de colo do útero. A presença persistente de qualquer destes tipos de HPV, pode levar a alterações celulares e indicar tratamento para prevenir o câncer de colo de útero. Os tratamentos para as lesões pré-malignas associadas ao vírus HPV, podem, ser através de medicamentos, cirurgias e laserterapia, cuja indicação dependerá do tipo de lesão.