Atividades gratuitas e mamografia no Ibirapuera

ibirapueraNo dia 18 de outubro a campanha Avon Contra o Câncer de Mama estará no Parque Ibirapuera, em São Paulo, promovendo diversas atividades para as mulheres, como aulas de maquiagem, ioga, alongamento, pilates, reflexologia e shiatsu.

O evento ainda contará com palestras de nutrição e espaço kids, para que as mães tenham onde deixar seus filhos para participar da mobilização.

O mais importante: mulheres com mais de 40 anos sairão do parque com data marcada para posterior realização de mamografia via SUS.

Anúncios

Consultas e exames gratuitos para advogadas, estagiárias e esposas de advogados

ibirapueraA Caixa de Assistência dos Advogados de São Paulo (CAASP) dá início no dia 13 de outubro a mais uma edição da Campanha de Saúde da Advogada, que visa a prevenir doenças tipicamente femininas, como câncer de mama, câncer de colo do útero e osteoporose.

As advogadas poderão fazer exames de papanicolaou, papanicolaou, ce densitometria óssea; submeter-se a consulta com ginecologista e, se necessário, passar por exames complementares. A relação de médicos e laboratórios referenciados está sendo definida e será publicada no site da CAASP (www.caasp.org.br). As guias deverão ser retiradas na sede da CAASP,em suas Regionais e Espaços ou nas subseções da OAB-SP.

A exemplo das edições anteriores, a campanha será aberta a advogadas e estagiárias inscritas na OAB-SP e em dia com sua anuidade, bem como às esposas dos advogados nas mesmas condições. Os procedimentos serão parcialmente subsidiados pela Caixa de Assistência.

A todas as participantes será oferecido um pacote médico com os procedimentos adequados a cada faixa etária. Segundo o diretor da Área Médica da Caixa de Assistência, Jairo Haber, “o rol de exames disponibilizados, bem como sua aplicação por faixas etárias, segue rigorosa orientação de médicos ginecologistas”.

CALENDÁRIO
Exames laboratoriais: de 13 de outubro a 7 de novembro
Consultas: até 21 de novembro
Exames complementares: até 5 de dezembro

Tudo sobre varizes

O presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular do Rio de Janeiro (SBACV-RJ), Ivanésio Merlo respondeu algumas perguntas sobre varizes especialmente para o blog para você tirar todas as dúvidas sobre o tema.

O que são varizes?
Varizes são veias permanentemente dilatadas e tortuosas que se desenvolvem sob a superfície cutânea, especialmente nos membros inferiores (pés, pernas e coxas)

Como elas se formam e como se desenvolvem?
As veias dos membros inferiores têm estruturas delicadas e resistentes, chamadas válvulas venosas, cuja função é segmentar a pressão exercida pelo sangue quando o indivíduo está de pé e direcionar o sangue para o coração. Problemas no funcionamento dessas válvulas e na constituição genética das paredes venosas estão entre as principais causas da formação das varizes. O componente hereditário é muito importante. Para quem nasce com propensão a varizes, alguns fatores podem desencadear o aparecimento da doença varicosa, tais como: ficar de pé ou sentado por períodos prolongados, obesidade, pés planos e gravidez

Quem tem varizes?
Geralmente o indivíduo nasce com predisposição à doença varicosa. Ou seja, filhos de pais varicosos têm mais chance de apresentar varizes. Entretanto, não há ainda medida percentual para esse fator hereditário. Na maioria dos estudos epidemiológicos, a mulher apresenta maior predisposição ao problema e isso pode ser atribuído aos hormônios femininos, como o estrogênio e a progesterona, além da própria condição gestacional

Existe mais de um tipo?
As varizes podem ser divididas em três grupos principais: as microvarizes, as varizes de médio calibre e as de grosso calibre. Cada tipo varicoso exige um tratamento específico a ser definido pelo especialista

Quais os sintomas?
Na posição de pé as veias ficam dilatadas, tortuosas e muito visíveis, o que costuma incomodar muito por razões estéticas. Além disso, outros sinais e sintomas podem estar presentes, tais como: presença de veias azuladas e muito visíveis abaixo da pele; agrupamentos de finos vasos avermelhados que alguns pacientes chamam de “pequenos rios e seus afluentes”; queimação nas pernas; inchação, especialmente nos tornozelos ao final do dia; prurido ou coceira; cansaço ou sensação de fadiga nas pernas; sensação de peso nas pernas; “pernas inquietas” e câimbras, muitas vezes noturnas

Como é feito o diagnóstico?
O diagnóstico de varizes, em muitos casos, pode ser feito por simples inspeção visual. Por meio de exame físico e de algumas manobras, o médico pode verificar quais as veias estão comprometidas e se as safenas estão normais. Também é utilizada a ultra-sonografia venosa realizada com o Doppler para mapear todos os segmentos varicosos e complementar o diagnóstico

Se não cuidadas podem causar complicações? Quais?
Algumas vezes as varizes dos membros inferiores são assintomáticas. Mas dependendo da quantidade e tipo das varizes elas podem evoluir para doenças graves, decorrentes da insuficiência venosa crônica como: inchação, escurecimento, eczema e úlcera varicosa. Além disso, é frequente o aparecimento de tromboflebites que podem culminar com desprendimento de coágulos para os pulmões e a consequente embolia pulmonar – muitas vezes fatal

Quais os tratamentos disponíveis?
Os tratamentos disponíveis são: tratamento clínico com medicamentos via oral e meias elásticas, tratamento das microvarizes com injeções esclerosantes e laser transdérmico e tratamento das varizes maiores com cirurgia convencional e com laser (endolaser). Em qualquer caso, o tratamento deve ser feito sempre pelo angiologista e cirurgião vascular, médico especialista em doenças vasculares

Existe uma forma de prevenir?
Não existem medidas preventivas objetivas. Se o individuo tem predisposição genética fica difícil indicar formas de prevenção. Sabe-se que trabalhar de pé por muitas horas diariamente, para aqueles que têm predisposição, é um fator acelerador, assim como o número de gestações, obesidade, idade, etc. Não há evidências significativas para se dizer que sapatos de saltos altos provocam varizes

Mitos e verdades sobre infertilidade

garota pensandoSegundo a European Society of Human Reproduction and Embriology (E.S.H.R.E.) a definição geral de infertilidade é a diminuição da capacidade de conceber em relação à população geral.

Especialistas revelam que a infertilidade conjugal é uma situação que atinge cerca de 15 a 20% de todos os casais em idade reprodutiva. Para se ter dimensão do problema, isso significa que um a cada 5 ou 6 casais vai ter dificuldade para engravidar. Mas atualmente é possível reverter vários destes casos com os recursos avançados disponíveis nos Centros de Reprodução Humana.

O especialista em Reprodução Humana do Hospital e Maternidade Santa Joana dr. José Geraldo Caldeira relata que grande parte dos casais ainda chega com muitas dúvidas sobre infertilidade no consultório e esclarece os principais mitos:

Tratamentos contra infertilidade sempre geram gêmeos?
Mito. A taxa de gemelares acontece em 20% dos casos.

Mulher com útero invertido tem mais dificuldade para engravidar?
Mito. Não se trata de uma anormalidade, mas sim uma característica natural, já que a grande maioria das mulheres não apresenta sintoma/problema algum., o que ajuda muito nessa situação, é a orientação do ginecologista para adotar mudanças de posição após as relações com o objetivo de evitar perda do semem , o que pode reduzir as chances de engravidar.

Existem casos em que mesmo com os tratamentos adequados a mulher não consegue engravidar?
Verdade. Pesquisas mostram que 10% dos casos de infertilidade são indeterminadas e em alguns casos, não é possível gerar um bebê.

O uso de pílula anticoncepcional por tempo prolongado pode causar infertilidade?
Mito. Não importa o tempo que a mulher use a pílula, isso não interfere no processo. O que pode acontecer é o disfarce de um problema pré-estabelecido. Em alguns casos a pílula anticoncepcional pode até ajudar na prevenção do surgimento da endometriose e de cistos nos ovários.

Relações sexuais nos dias da ovulação resultam sempre em gestação?
Mito. Mesmo se o casal tiver relações sexuais todos os dias, durante um mês, incluindo o período fértil, apenas 20% das mulheres irão engravidar. Por outro lado, muitas vezes, uma única relação, no mês, pode resultar em gravidez, principalmente no caso das mulheres mais jovens.

É preciso ter os dois ovários e as duas trompas para engravidar?
Mito. É possível engravidar com apenas um ovário e uma trompa.

Mulheres atletas, que se exercitam demais, podem ter maior dificuldade de engravidar?
Verdade. Atletas de alta performance que praticam exercícios extenuantes, como corridas de longa distância, podem resultar no que se chama de amenorréia, ou ausência de períodos menstruais. Isso ocorre quando o nível de gordura do corpo cai a níveis inferiores aqueles necessários para ajudar na ovulação. Há aquelas que, mesmo com rotina de superatletas, continuam a ter a menstruação regularmente. A experiência aconselha, de todo modo, que as mulheres empenhadas em engravidar devam reduzir seus exercícios para níveis mais moderados.

Mulheres que possuem ovário policístico não conseguem engravidar?
Mito. As mulheres com ovário policístico não ovulam todo mês (têm dificuldade de ovulação), por isso é mais difícil engravidar. No entanto, não é impossível como essa disfunção está ligada ao metabolismo, o médico sugere que as mulheres com esse problema tentem ajustar seu peso com dietas e práticas de exercícios físicos. Existe ainda a opção por medicamento.

Durante o tratamento contra a infertilidade, sexo deve ser evitado ou controlado?
Falso. O contato íntimo entre o casal está liberado, levar uma vida afetiva normal ajuda a relaxar e alcançar com maior tranqüilidade o objetivo da maternidade. O sexo deve ser suspenso apenas caso o médico prescreva formalmente.

Mulheres com idade avançada têm mais dificuldade para engravidar?
Verdade. Há um aumento na probabilidade de síndromes genéticas como por exemplo, Síndrome de Down. Chegada aos 37 anos a mulher inicia uma nova etapa cronológica em sua vida e a produção da quantidade e qualidade dos óvulos cai. Por isso, diminuem as taxas de gravidez e aumentam a ocorrência de abortos. Mulheres com idade acima da citada devem tentar engravidar por um pouco mais de tempo que as mais jovens, por volta de 1 ano e 6 meses, caso isso não ocorra espontaneamente é recomendável que a mulher procure um Centro de Reprodução Humana para realizar uma investigação mais detalhada.

A mulher que provoca um aborto pode reduzir as chances de engravidar novamente?
Depende. Mito: se o aborto for realizado em condição de higiene e segurança com a presença de profissionais qualificados ele não provocará outros desdobramentos. Abortos espontâneos com até 10 semanas de gestação não apresentam risco à mulher, já que a anatomia do útero permanece completa. Verdade: se o aborto for realizado em condições de risco, tal ação pode deixar sequelas como por exemplo: lesões nas trompas, aderência das paredes do útero e infecções.

O uso de pílula anticoncepcional por tempo prolongado pode causar infertilidade?
Mito. Não importa o tempo que a mulher use a pílula isso não interfere no processo. O que pode acontecer é o disfarce de um problema pré-estabelecido. Em alguns casos a pílula anticoncepcional pode até ajudar na prevenção do surgimento da endometriose e de cistos nos ovários.

O uso de “pílula do dia seguinte” pode interferir na fertilidade feminina?
Mito. A pílula do dia seguinte não é 100% eficaz e a gravidez pode ocorrer mesmo após o seu uso. Vale ressaltar que essa pílula é uma boa ferramenta apenas em caso de emergências.

O ovo de codorna e o amendoim, conhecidos popularmente como alimentos afrodisíacos aumentam a fertilidade?
Mito. A sexualidade e a libido não têm relação nenhuma com a fertilidade.

Estudo para tratamento da gripe H1N1

O Núcleo de Pesquisa em Geriatria Clínica e Prevenção (NUPEQ) da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) abriu no dia 14 de setembro, vagas para voluntários que possam participar de Estudo Clínico aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade, para tratamento da gripe H1N1.

Os voluntários receberão medicação e serão acompanhados por uma equipe médica especializada durante todo o tratamento. Para participar, o candidato deve apresentar os seguintes sintomas e perfil:

– Febre igual ou acima de 38°C

– Início súbito

– Mal-estar

– Dores musculares pelo corpo

– Tosse

– Início dos sintomas nas últimas 48 horas

– Idade igual ou acima de 18 anos

Os interessados devem entrar em contato pelo telefone (11) 5579-0400, das 8h30 às 12h30, de segunda à sexta-feira.

Você sabe a diferença entre produto diet, light e zero?

supermercadoO alimento diet é formulado com modificações especiais para se adequar a diferentes dietas ou indivíduos com necessidades metabólicas específicas. Nessa categoria estão os alimentos com restrição e/ou isenção de nutrientes (carboidratos, proteínas, gorduras e sódio), alimentos para controle do peso e, especificamente, alimentos para dietas de ingestão controlada de açúcares, como por exemplo, dietas para portadores de diabetes.

O termo light indica diferenças na composição de um produto em comparação a um produto tradicional. Um alimento é considerado light quando apresenta redução mínima de 25% das calorias ou de algum nutriente em relação ao original, como por exemplo, gordura. Alguns pães são considerados light pelo seu teor reduzido de gorduras e não, necessariamente, de calorias.

Já o zero foi o último a integrar os termos empregados em embalagens de alimentos. O nome zero indica que o alimento apresenta restrição ou isenção de algum nutriente em comparação com a versão tradicional. Se a isenção for de açúcares, o produto ainda deve apresentar valor calórico reduzido. Um caso de alimento zero são os refrigerantes, que são isentos de açúcar e possuem muito menos calorias em comparação ao produto original.

Apesar da objetividade das definições, na prática, comumente surgem dúvidas que dificultam a escolha do consumidor. “A portaria referente ao termo light, por exemplo, não estabelece valor máximo de restrição. É comum existir alimentos isentos de algum nutriente ou caloria e que poderiam receber a designação de diet ou zero – com o termo light em seu rótulo”, explica a nutricionista Isabela Cardoso Pimentel do setor de Nutrição Preventiva do HCor.

Os termos zero e diet também se confundem, mas compreendendo a legislação o termo diet se refere a um alimento original e o termo zero se refere a uma versão modificada do original sem indicação específica a uma determinada doença. “A população frequentemente confunde alimento diet com alimentos de poucas calorias, porém, não necessariamente é desta forma. Um alimento restrito em açúcar pode conter maior teor de gorduras e apresentar teor calórico igual ou maior que o original como ocorre com o chocolate diet”, salienta a nutricionista Camila Gracia, também da equipe do setor de Nutrição Preventiva do HCor.

De modo semelhante, um alimento pode ser classificado como light, mas ainda assim conter elevado teor de calorias para ser utilizado de rotina num plano alimentar para redução do peso, como acontece com o creme de leite light ou a manteiga light.

Na prática
Para se ter ideia, 1/3 de uma barra de chocolate ao leite de 30g contém 132 Kcal (calorias) e 7,3g de gorduras totais enquanto que a mesma quantidade de chocolate ao leite diet possui 142 Kcal e 9,9g de gorduras totais. Neste caso, o produto diet é isento de açúcares, porém apresenta maior teor de calorias e gorduras que o original. Não é indicado para perda de peso, somente para dietas restritas em açúcar.

No caso de refrigerantes os produtos diet, light e zero não contêm açúcar e apresentam nenhuma ou menos que 4 Kcal por 100ml. A mudança da terminologia não implica em diferenças nutricionais significativas e a diferença entre os produtos está no tipo e quantidade de adoçantes utilizados. Nos refrigerantes a base de cola, uma lata de 350 ml, nas versões diet, light e zero, apresenta zero Kcal (calorias) e zero grama de açúcar. Já a versão comum possui 148 Kcal e 37g de açúcar.

Compreender as diferenças nas nomenclaturas utilizadas na rotulagem dos alimentos é um direito do consumidor e mais uma ferramenta para escolhas corretas e saudáveis, mas na hora de comprar evite se impressionar com os termos em destaque. Leia a embalagem, verifique as informações nutricionais e compare os produtos.

Principais diferenças e indicações
Diet
– Isenção de açúcar e/ou proteína e/ou gorduras – Indicado para portadores de doenças metabólicas como diabetes. Cuidado: alimentos diet podem ter valor calórico maior que aqueles que contêm açúcar. Nem sempre são úteis para perda de peso;

Light – Redução de calorias ou açúcares ou gorduras ou sódio ou outro nutriente em relação ao produto original – Indicado para pessoas que desejam reduzir o teor de açúcares, gorduras ou sal na alimentação. Cuidado: nem todo alimento light é próprio para perda de peso. A redução calórica em certos alimentos é muito pequena;

Zero – Isenção de açúcar com redução de calorias ou isenção de nutrientes em relação ao produto original. De modo geral as indicações são semelhantes ao dos alimentos light. Quando o alimento é zero por isenção de açúcares também pode ser consumido por portadores de diabetes.

Novo site sobre saúde da pele

A Sociedade Brasileira de Dermatologia Regional São Paulo (SBD-SP) está lançando seu portal na Internet. O novo site traz informações e orientações sobre as questões que envolvem a especialidade, tanto para o público leigo como para médicos.

O novo website também traz notícias (Dermatologia na Mídia), bem como agenda de eventos nacionais e internacionais, cursos na sede e um canal para busca do dermatologista, por nome ou cidade.

O endereço do novo site é www.sbd-sp.org.br.