Câncer de útero mata seis vezes mais no Brasil

sad1Em 2008, mais de 18 mil mulheres receberão, no País, o diagnóstico de câncer de colo de útero – de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Embora seja passível de prevenção e detecção precoce, a doença mata seis vezes mais no Brasil que em países desenvolvidos, como a Inglaterra e os Estados Unidos. Isso porque essas nações já implementaram programas competentes para rastreamento da patologia, com exame de citologia ou Papanicolau, e com tratamento precoce das lesões precursoras do câncer, o que diminuiu em até 70% a mortalidade.

Os médicos consideram a mortalidade por câncer de colo de útero um importante indicador de desenvolvimento social, comparável à mortalidade infantil. “As principais vítimas são mulheres pobres, em idade reprodutiva e que não têm acesso a serviços básicos de atenção à saúde ou que, quando realizam o exame, demoram a retornar ou jamais retornam para tratamento”, informa Dr. João Nunes, chefe do Serviço e da Residência de Oncologia do Hospital Universitário de Brasília. “No Distrito Federal, para se ter uma idéia, estudo mostrou que 18% das mulheres entre 25 e 59 anos não realizaram o exame Papanicolau nos últimos 3 anos”, destaca o especialista.

Na linha de risco 
Quando se aborda o câncer de colo de útero é inevitável falar do papiloma vírus humano. “Cerca de 99% dos casos da doença estão relacionados ao vírus conhecido como HPV – mais especificamente a alguns subtipos considerados de alto risco”, explica Dr. Nunes.

Mais uma vez, o Papanicolau aparece como o caminho ideal para a identificação precoce. “Toda mulher deve obrigatoriamente realizar o exame uma vez por ano, desde o início da vida sexual. O intervalo entre um exame e outro pode ser reduzido dependendo de alguns aspectos, tais como: presença de lesões e determinados hábitos sexuais. Vale destacar que a maioria das infecções por HPV não apresenta sintomas (lesões ou verrugas)”, enfatiza o oncologista.

Para prevenção, o uso do preservativo é a melhor forma, mas não é totalmente eficaz apesar da transmissão ser por via sexual. Outra importante forma de prevenção já disponível no Brasil é a vacina anti-HPV. “Ela será destina-se a mulheres de 9 a 26 anos que não entraram em contato com os subtipos de alto-risco do vírus. Estamos otimistas, pois a expectativa é de que a vacina venha a evitar, no futuro, 70 % dos cânceres de colo uterino”, antecipa Dr. Nunes.

Amanhã é Dia Internacional de Combate ao Câncer

mulherAmanhã,  27 de novembro é o Dia Internacional de Combate ao Câncer. Momento oportuno para alertar quanto às novas estatísticas da doença, que acomete cada vez mais pessoas no mundo. Um dado que vem chamando atenção da comunidade médica é o crescimento da incidência do câncer de mama – tipo mais comum entre as mulheres- na faixa etária de 30 a 35 anos.

“O câncer de mama em mulheres com menos de 35 anos vem apresentando um crescimento contínuo na última década e triplicou nos últimos três anos”, diz a radiologista Dra Cristiane Mendes, do Image Memorial/DASA. “Em 2002, aproximadamente 5,2% dos tumores eram diagnosticados em mulheres abaixo dos 40 anos.

Um estudo recente feito na região Sul do Brasil mostrou que 16,8% das mulheres avaliadas tiveram câncer de mama antes dos 35 anos – a maior parte delas da zona urbana”, informa a especialista, que considera o novo perfil da doença um motivo de apreensão. “Os tumores que acometem mulheres abaixo de 35 anos são, em sua maioria, muito agressivos, maiores e com chances aumentadas de apresentarem recorrência. Soma-se a isto, o fato de que mulheres jovens possuem mamas densas, o que dificulta a identificação precoce por meio da mamografia”, explica.

Importância da ressonância magnética
Neste novo cenário, o exame de ressonância magnética das mamas figura como o principal recurso para rastreamento do câncer. “A mamografia continua sendo o método soberano e primeiro exame a ser feito em mulheres a partir dos 40 anos, porém a densidade das mamas mais jovens requer um método com maior sensibilidade para a detecção precoce da enfermidade”, explica. O diagnóstico e conseqüente tratamento do câncer de mama no seu estágio inicial aumenta significativamente as chances de cura em mulheres jovens. “A ressonância magnética também tem papel importante no detalhamento de um tumor de mama já identificado pela mamografia. Por meio dela verificamos a extensão exata da lesão”.

Exames de mama – quando fazer?
As mulheres devem realizar a mamografia pela primeira vez entre os 35 e 40 anos e se submeter a controles anuais a partir dos 40 anos, porém a radiologista alerta para a questão do histórico familiar e também dos chamados fatores de risco. “Terapia de reposição hormonal, alterações genéticas hereditárias, consumo de álcool, exposição a radiação ionizante e maternidade tardia são considerados fatores de risco. Já a ocorrência de câncer em um familiar de primeiro grau (mãe, irmã ou filha) dobra o risco. A ocorrência em dois familiares de primeiro grau aumenta o risco em cerca de cinco vezes”.

Exame na gravidez permite diagnosticar deficiência mental de bebê

Encontrada em um a cada 4 mil meninos nascidos vivos e em uma a cada 6 mil meninas, a síndrome do X Frágil é a deficiência mental mais freqüente entre as malformações genéticas herdadas da mãe, segundo a Fundação Brasileira do X Frágil. A doença, uma das principais causas do autismo, está presente em forma de pré-mutação em uma a cada 259 mulheres. A falta de sintomas apresentados pelo sexo feminino não diminui o poder de transmissão do gene debilitado e apenas o diagnóstico precoce no pré-natal pode determinar se o bebê será ou não portador de alguma deficiência.

“Por meio de teste molecular, em que estudamos o DNA da mãe, podemos dizer se algum dos cromossomos X tem pré-mutação. Em caso positivo, esse cromossomo pode ser passado aos filhos, o que, no caso dos meninos, pode levar à deficiência mental”, explica o Dr. Nelson Gaburo, especialista em Biologia Molecular do Lavoisier Medicina Diagnóstica/DASA, que realiza o exame.

A expressão “X-Frágil” deve-se a uma anomalia causada por um gene defeituoso localizado no cromossomo X, que, por sua vez, passa a apresentar uma falha em uma de suas partes. O X está presente no par de cromossomos que determina o sexo (XY nos homens e XX nas mulheres).

“Os sinais e sintomas da síndrome, por serem semelhantes a outros casos de atrasos e distúrbios gerais de desenvolvimento, necessitam de confirmação por meio de exame genético com técnicas especiais, como a análise de cariótipo, que é o estudo da célula, ou mesmo o teste por meio de DNA, que é o meio mais seguro de confirmar a deficiência”, diz o Dr. Gaburo. “A precisão dessa prova pode orientar ou redirecionar tratamentos, visando a torná-los mais específicos. Possibilita, igualmente, aconselhar as famílias afetadas sobre os riscos de recorrência e as possíveis opções reprodutivas”, complementa o especialista.

O exame pré-natal também pode auxiliar no combate a malformações, sendo recomendado quando existe diagnóstico confirmado na família e se a gestante é portadora da pré-mutação.

Detectado o problema, sugere-se que a gestante procure um médico especializado em medicina fetal para uma avaliação mais detalhada da saúde do feto e também um conhecimento maior da saúde do bebê, conseqüências e de como lidar com a situação.

Técnica pioneira na Bahia ajuda a tratar HPV

A laserterapia, técnica utilizada cada vez com maior sucesso no tratamento de doenças ginecológicas, tem se tornado um importante aliado no combate ao Papiloma Vírus Humano (HPV) e na prevenção de lesões pré-cancerígenas provocadas pelo vírus. O HPV, segundo a ginecologista Adriana de Oliveira Bruno, do Itaigara Memorial Hospital Dia, está relacionado com as verrugas e o câncer de colo de útero. Estimativas apontam que 75% dos homens e mulheres têm contato com o vírus em algum momento de suas vidas. No entanto, um pequeno número de pessoas desenvolve a doença, graças à defesa do sistema imunológico. “Contudo, se a infecção permanece por vários anos, existe maior risco de levar a alterações celulares e ao câncer”, explica ela.

A médica é atualmente uma das três profissionais que utilizam a técnica de cirurgia a laser ou laserterapia na ginecologia, em Salvador (BA), e o Itaigara Memorial Hospital Dia é o único centro na Bahia a oferecer este tratamento. “A laserterapia é um método seguro com alta eficácia, mais conservador, feito freqüentemente em única sessão, com rápida cicatrização e preservação da anatomia do trato genital. Proporcionando às pacientes um rápido retorno às suas atividades normais”, relata a médica Adriana Bruno.

De acordo com a especialista, existem pelo menos cem tipos de vírus que provocam o HPV. Destes, os denominados números 16 e 18 são responsáveis por 70% dos cânceres do colo do útero e o 6 e 11, responsáveis por 90% das verrugas, que é o sintoma mais comum, apesar destas infecções, normalmente, serem assintomáticas. “Por isso a importância de exames periódicos. A infecção HPV é freqüente, quase todas as pessoas terão contato com o vírus. Geralmente, esta infecção é passageira. Cerca de 90% das pessoas ficam livres do vírus em até dois anos”, afirma a médica.

O câncer do colo do útero, o mais sério problema associado ao HPV, pode ser prevenido com exames preventivos e com tratamentos eficazes das lesões pré-malignas. “Continuem a fazer seus exames regularmente e se você sabe que tem HPV, pare de fumar. É cientificamente comprovado que o tabagismo aumenta o risco de progressão das lesões para o câncer. Um grande problema que vejo no consultório é o quanto este vírus pode abalar emocionalmente as mulheres e o quanto comprometem o bem estar emocional, muito mais que o físico”, afirma a ginecologista.

Prevenção
Atualmente já é possível fazer a prevenção do Papiloma Vírus Humano através das vacinas quadrivalente (contra os tipos 6, 11, 16 e 18) e a bivalente (contra os tipos 16 e 18). A vacina é segura e não está relacionada a nenhum efeito colateral sério, além de ter eficácia, em 100% de proteção para os cânceres associados aos tipos virais. A vacina é apenas preventiva e não tem nenhum poder curativo.

A vacina é indicada antes que a primeira relação sexual ocorra. “Além do fato destas meninas não terem sido expostas ao vírus, através de relação sexual, os estudos mostraram que a respostas imunológicas são maiores para meninas jovens do que para as mulheres mais velhas. Importante ressaltar que todas as mulheres, mesmo vacinadas, devem continuar fazer seu exame preventivo anual”, aconselha Dra. Adriana.

“A prevenção das lesões associadas ao vírus também é extremamente importante e deve ser feita através de exames preventivos, como o papanicolau. Este exame pode detectar lesões pré-malignas e assim tratá-las com sucesso, evitando a tempo o câncer de colo do útero”, afirma a ginecologista.

Entre os avanços da medicina para a descoberta precoce do HPV, esta o teste DNA HPV, que pode detectar os 13 tipos virais mais comuns associados ao câncer de colo do útero. A presença persistente de qualquer destes tipos de HPV, pode levar a alterações celulares e indicar tratamento para prevenir o câncer de colo de útero. Os tratamentos para as lesões pré-malignas associadas ao vírus HPV, podem, ser através de medicamentos, cirurgias e laserterapia, cuja indicação dependerá do tipo de lesão.

Fundação oferece atendimento gratuito para problemas de pele, cabelo e unha

São Paulo conta há dois anos com serviço médico gratuito para a população com problemas de pele, cabelo e unha. Instalada no Pacaembu, a Fundação Pele Saudável atua em duas frentes: oferecendo atendimento médico gratuito para pessoas com doenças dermatológicas e oferecendo oportunidade de realizar um curso de pós-graduação para médicos.

O tratamento não é somente para a população carente. Qualquer pessoa, independente de sua classe social, pode ser atendida. Para tanto basta marcar uma consulta pelo telefone, sendo os atendimentos divididos em dois períodos, com 30 médicos em cada. O mais bacana é que o tratamento é gratuito!

Quanto ao curso de pós-graduação, os fundadores da entidade afirmam estar preocupados em atender aos milhares de estudantes de medicina, recém-formados, que estão sem possibilidade de fazer residência. No Brasil, existem 128 escolas de medicina e formam-se 20 mil médicos ao ano. Destes, aproximadamente, 5 mil não conseguem vaga para a pós-graduação. O curso oferecido na fundação é reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC).

Universidade recruta voluntários para estudo sobre relação entre postura corporal e emoções

O departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) busca voluntários saudáveis, com idade entre 20 e 40 anos e ensino médio completo para participar de estudo que pretende estabelecer uma relação entre postura corporal e emoções.

Quando necessário, os participantes serão encaminhados para atendimento psicológico e receberão orientações sobre postura. Os interessados devem entrar em contato com Suely, pelo telefone (11)5082-2382, de segunda à sexta-feira, das 13h30 às 16h.

 

Rio de Janeiro inaugura Centro de Imagem da Mulher

O Hospital de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro (RJ), inaugurou na última quinta-feira (28/08) o Centro de Imagem da Mulher, que reúne serviços de diagnóstico para acompanhamento e avaliação de doenças como câncer de mama e ginecológico, além de problemas decorrentes da menopausa.

O Centro oferece estrutura radiodiagnóstica e tomógrafo helicoidal (que permite imagens mais rápidas e precisas do que a tomografia computadorizada), além de equipamentos de densitometria óssea, ultrassonografia e mamografia, indispensáveis para o diagnóstico precoce de doenças.

Com os novos aparelhos, a expectativa é que sejam realizados cerca de 1,8 mil exames por mês. Destes, cerca de 25% serão destinados a pacientes encaminhadas pelos pólos de mama da região da Barra e de Jacarepaguá. O Ministério da Saúde investiu R$1,7 milhão em equipamentos.