Vacinação contra rubéola continua…

Com a prorrogação da campanha de vacinação contra a rubéola, as equipes de saúde de diversos bairros da capital e Grande São Paulo continuarão atendendo, até o final de setembro, aos usuários que passarem por estações da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), do Metrô e pelo terminal de ônibus São Mateus, da EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos).Os agentes estarão nas unidades de segunda a sexta, das 17h às 20h – aproveitando para atender as pessoas que estão voltando para suas casas ou que trabalham ou estudam no período noturno. Somente na Estação São Bento, do Metrô, o horário será diferenciado: das 15h às 19h. Já na Estação Santo Amaro não haverá atendimento no dia 19.

Confira abaixo as estações onde é possível vacinar-se:

CPTM
Linha 8 – Diamante: Barra Funda, General Miguel Costa, Comandante Sampaio, Osasco, Presidente Altino e Carapicuíba;
Linha 11 – Coral: Luz e Guaianazes;
Linha 12 – Safira: Itaim Paulista;

Metrô
Linha 1 – Azul: São Bento (15 às 19 horas), Sé, Jabaquara, Ana Rosa, Paraíso, Tietê, Santana e Tucuruvi;
Linha 3 – vermelha: Itaquera, Artur Alvim, Vila Matilde, Penha, Anhangabaú e Barra Funda;
Linha 5 – lilás: Santo Amaro (não funciona dia 19/09)

EMTU
Terminal São Mateus

Anúncios

Mais uma chance para as atrasadinhas….

Para quem ainda não se vacinou contra a rubéola e está em Amazonas, Roraima, Rondônia, Acre, Pará, Amapá, Tocantins, Goiás, Rio Grande do Sul, São Paulo ou Rio de Janeiro, uma boa notícia: a campanha foi prorrogada até dia 19 de setembro – próxima sexta-feira. A decisão de estender a data final é para conseguir vacinar 70 milhões de pessoas previstas no início da campanha. Até hoje, foram vacinadas 52,4 milhões.

Dentre as dificuldades citadas pelo Ministério que prejudicaram a vacinação na região Norte, foram as distâncias e a dificuldade de transportes. Na região Sudeste, São Paulo e Rio de Janeiro ganharam o prazo estendido por contarem com maior população. No Rio Grande do Sul, o motivo seria o friozinho que está fazendo por lá, que deixou as pessoas com preguiça de ir até os postos. 

Para vacinar as atrasadinhas, postos volantes ficarão hoje de plantão no horário de pico (das 17h às 20h) em estações de trem, metrô e ônibus da capital e da Grande São Paulo. Amanhã, dia 21, estações de metrô contarão com postos de vacinação das 8h às 17h. Também poderão se vacinar quem passar pelo Playcenter e os shoppings Light, Pátio Higienópolis e Frei Caneca.

Na próxima semana, a vacinação também ocorrerá no aeroporto de Congonhas, das 9h às 17h. Quem não puder ir até nenhum desses lugares pode se informar no ligando gratuitamente para o número 156. Lá eles informam o posto de vacinação mais próximo de sua casa.

Balanço
Até agora, 27,8 milhões de mulheres já tomaram a vacina, totalizando 78,85% da meta do Ministério. Na cidade de São Paulo mais de 3 milhões de pessoas tomaram a vacina, ou seja, 77,8% da meta. 

A parceria entre as secretarias estaduais dos Transportes Metropolitanos e da Saúde de São Paulo levou, em três dias de campanha, mais de 80 mil pessoas aos postos de vacinação. Uma média de 149 vacinas aplicadas por minuto!!! Foram instalados 74 pontos entre estações da CPTM, Metrô e terminais da EMTU.

Até o momento, as três estações que mais vacinaram foram Guaianazes pela CPTM, com 2.436 atendimentos, Itaquera e Jabaquara pelo Metrô, com 7.729 e 3.714 pessoas respectivamente. Juntando os dados das três empresas, o número de homens imunizados superou o de mulheres.

Amanhã, dia 13, algumas estações do Metrô estarão disponíveis para a campanha das 8h às 17h. São elas: Jabaquara, São Bento, Luz, Tietê, Santana, Itaquera, Arthur Alvim, Tatuapé, Brás, Barra Funda, Sé, Ana Rosa, Paraíso e Largo Treze.

Nas demais estações e terminais, o atendimento será até hoje, das 17h às 20h. Corra!

Quase tudo sobre a rubéola…

A rubéola é uma doença aguda (os sinais aparecem rapidamente) causada por um vírus muito contagioso, que se transmite com extrema facilidade. A pessoa contaminada geralmente apresenta febre baixa, manchas avermelhadas na pele, começando no pescoço, que depois se alastra para o tronco, pernas e braços. Ás vezes aparecem alguns sintomas gripais, dor de cabeça, dores generalizadas, conjuntivite, coriza e tosse.

Porém, é importante saber que a metade dos casos de rubéola são assintomáticos: em 59% dos casos os sintomas não estão presentes, não são visíveis. O problema é que estes casos assintomáticos podem contagiar as pessoas desprotegidas, seja por não terem tido a doença, seja por não serem vacinadas.

Os vírus são transmitidos de uma pessoa infectada para outra por gotículas de secreções que saem do nariz e da boca da pessoa infectada ao tossir, falar ou espirrar. A transmissão por meio de objetos contaminados também pode acontecer. Quando a grávida mantém contato com as gotículas de secreções de pessoa doente, mesmo assintomática, ela transmite o vírus para o bebê através da placenta.

Neste caso a gestante pode abortar ou o bebê pode nascer morto, além disso o bebê pode nascer com a Síndrome da Rubéola Congênita (SRC) e apresentar alguns problemas que perduram por toda vida, como: deficiência auditiva, lesões oculares (retinopatia, catarata, glaucoma), problemas no coração (más formações cardíacas), além de problemas neurológicos.

Atualmente não há indícios de que a vacina contra a rubéola possa causar SRC. Dados de 2006 mostram que de 24.924 mulheres vacinadas inadvertidamente contra a rubéola durante as campanhas de vacinação da Região das Américas, não se identificou nenhum caso de SRC.

Apesar disso, a campanha de vacinação não inclui as grávidas porque se acontecer um aborto ou se a criança nascer morta (casos que seriam apenas coincidências), as pessoas poderiam atribuir isso inadvertidamente à vacina. Já no pós-parto e puerpério a vacina está liberada.

A faixa etária escolhida pelo governo para receber a dose da vacina gratuitamente em quase todos os Estados do País é de 20 a 39 anos (em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Rondônia e Maranhão é de 12 a 39 anos). Isso porque estudos demonstraram que as pessoas maiores de 40 anos já estão protegidas, pois adoeceram em algum momento de suas vidas. Além disso, a maior parte das pessoas que tiveram a doença tinham entre 12 a 39 anos, sendo a maior incidência de 20 a 29 anos.

Só quem fica de fora da vacinação são as pessoas com imunossupressão por doença (ex. Aids) ou terapêutica, com febre muito alta. Se você não se encaixa nesse quesito e ainda não se vacinou, corra! A campanha só vai até o dia 12 de setembro. Se está na capital de São Paulo, aproveite os postos de vacinação nos trens, metrôs e terminais de ônibus.

Campanha brasileira será modelo para outros países

Seis observadores e consultores internacionais do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e da Organização Mundial de Saúde (OMS) desembarcaram no dia 1 de agosto no Brasil, para acompanhar e conhecer a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Rubéola, desenvolvida pelo governo brasileiro e que pretende imunizar 70 milhões de pessoas.

Os visitantes chegaram para trocar experiências que poderão ser levadas a outros países, já que esta é a maior mobilização do mundo para imunizar indivíduos adultos. Os especialistas ficaram por aqui até ontem (4/09) e conheceram a estrutura do Sistema Único de Saúde (SUS), o funcionamento do Programa Nacional de Imunizações (PNI) e as estratégias do Ministério da Saúde para a eliminação de doenças como o sarampo, rubéola e a Síndrome da Rubéola Congênita (SRC).

Para o consultor da Organização Mundial de Saúde (OMS), David Sniadack, há grande expectativa em conhecer os métodos para identificar e estabelecer relações com parceiros. “Queremos discutir quais são as estratégias mais efetivas para captar essa população-alvo. Como os países podem convocar as instituições, as escolas e as empresas a participarem de uma grande campanha de vacinação”, conta. 

Antes de deixar o Brasil, os observadores participaram de uma nova reunião na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para que pudessem esclarecer as dúvidas com técnicos brasileiros, opinar sobre o programa e falar das possibilidades de adaptação do modelo brasileiro a seus países.

É isso aí mulheres, vamos dar exemplo para milhares de pessoas no mundo. Mais uma vez: VACINEM-SE!

Campanha contra a rubéola vai até metrô, trem e terminais de ônibus em SP

Última chance para as atrasadinhas! A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (SP) vai realizar uma megaoperação na última semana da Campanha de Vacinação contra a Rubéola. Em parceria com a Secretaria de Transportes Metropolitanos e secretarias municipais de saúde, postos de vacinação serão montados em 34 estações do metrô, 34 estações de trem e oito terminais do corredor metropolitano, além do Aeroporto Internacional de Guarulhos (Cumbica).

O objetivo é facilitar o acesso das pessoas com idade entre 20 e 39 anos à vacinação, que ocorrerá de 8 a 12 de setembro, das 17h às 20h, horário de maior movimento nas estações. Em Cumbica a vacinação ocorrerá das 8h às 20h.

No sábado (13/09), 15 estações do Metrô também terão postos de vacinação abertos das 8h às 17h. Por dia, 6,4 milhões de usuários circulam nas estações e terminais. O objetivo é chegar até as pessoas que até agora ainda não se vacinaram. Se você ainda não se vacinou, aproveite a chance. Estamos na última semana da campanha!

Se você mora na capital paulista e proximidades não tem mais desculpa para não tomar, hein?! Eu tomei no primeiro dia de campanha e nem dói. Só fiz cara de dor para fazer manha para o meu namorado (aha! básico!). Ele também já tomou. Aproveite e leve seus namorados, maridos, filhos…

Confira onde você pode tomar a vacina na lista abaixo.

Metrô (8/9 à 12/9 das 8h às 17h)
Itaquera, Artur Alvim, Patriarca, Vila Matilde, Penha, Guilhermina/Esperança, Carrão, Tatuapé, Belém, Brás, Anhangabaú, Barra Funda, Sé, Jabaquara, São Bento, Ana Rosa, Paraíso, São Joaquim, Liberdade, Luz, Tietê, Santana, Tucuruvi, Largo Treze, Santo Amaro, Alto Ipiranga, Vila Madalena, Imigrantes, Saúde, Campo Limpo, Vila das Belezas e Capão Redondo.

Informe-se sobre as estações que disponibilizarão o serviço no sábado.

Trem (8/9 à 12/9 das 8h às 17h)
Itaquera, Brás/Área Livre, Barra Funda, Luz/Área Livre, Santo Amaro, Francisco Morato, Caieiras, Franco da Rocha, Perus, Pirituba, Lapa, Itapevi, Barueri, Carapicuíba, Jandira, Osasco, Vila Olímpia, Cidade Universitária, Rio Grande da Serra, Ribeirão Pires, Mauá, Santo André, São Caetano do Sul, Guaianazes, São Miguel Paulista, Jardim Helena, Jardim Romano, Itaim Paulista, Grajaú, Mogi das Cruzes, Brás Cubas, Ferraz de Vasconcelos, Suzano e Poá .

EMTU (8/09 a 12/09, das 17h às 20h).
Terminais: São Mateus, Jabaquara, Santo André, S. B. do Campo, Sônia Maria, Cotia, Campinas e Santos.