Tudo sobre varizes

O presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular do Rio de Janeiro (SBACV-RJ), Ivanésio Merlo respondeu algumas perguntas sobre varizes especialmente para o blog para você tirar todas as dúvidas sobre o tema.

O que são varizes?
Varizes são veias permanentemente dilatadas e tortuosas que se desenvolvem sob a superfície cutânea, especialmente nos membros inferiores (pés, pernas e coxas)

Como elas se formam e como se desenvolvem?
As veias dos membros inferiores têm estruturas delicadas e resistentes, chamadas válvulas venosas, cuja função é segmentar a pressão exercida pelo sangue quando o indivíduo está de pé e direcionar o sangue para o coração. Problemas no funcionamento dessas válvulas e na constituição genética das paredes venosas estão entre as principais causas da formação das varizes. O componente hereditário é muito importante. Para quem nasce com propensão a varizes, alguns fatores podem desencadear o aparecimento da doença varicosa, tais como: ficar de pé ou sentado por períodos prolongados, obesidade, pés planos e gravidez

Quem tem varizes?
Geralmente o indivíduo nasce com predisposição à doença varicosa. Ou seja, filhos de pais varicosos têm mais chance de apresentar varizes. Entretanto, não há ainda medida percentual para esse fator hereditário. Na maioria dos estudos epidemiológicos, a mulher apresenta maior predisposição ao problema e isso pode ser atribuído aos hormônios femininos, como o estrogênio e a progesterona, além da própria condição gestacional

Existe mais de um tipo?
As varizes podem ser divididas em três grupos principais: as microvarizes, as varizes de médio calibre e as de grosso calibre. Cada tipo varicoso exige um tratamento específico a ser definido pelo especialista

Quais os sintomas?
Na posição de pé as veias ficam dilatadas, tortuosas e muito visíveis, o que costuma incomodar muito por razões estéticas. Além disso, outros sinais e sintomas podem estar presentes, tais como: presença de veias azuladas e muito visíveis abaixo da pele; agrupamentos de finos vasos avermelhados que alguns pacientes chamam de “pequenos rios e seus afluentes”; queimação nas pernas; inchação, especialmente nos tornozelos ao final do dia; prurido ou coceira; cansaço ou sensação de fadiga nas pernas; sensação de peso nas pernas; “pernas inquietas” e câimbras, muitas vezes noturnas

Como é feito o diagnóstico?
O diagnóstico de varizes, em muitos casos, pode ser feito por simples inspeção visual. Por meio de exame físico e de algumas manobras, o médico pode verificar quais as veias estão comprometidas e se as safenas estão normais. Também é utilizada a ultra-sonografia venosa realizada com o Doppler para mapear todos os segmentos varicosos e complementar o diagnóstico

Se não cuidadas podem causar complicações? Quais?
Algumas vezes as varizes dos membros inferiores são assintomáticas. Mas dependendo da quantidade e tipo das varizes elas podem evoluir para doenças graves, decorrentes da insuficiência venosa crônica como: inchação, escurecimento, eczema e úlcera varicosa. Além disso, é frequente o aparecimento de tromboflebites que podem culminar com desprendimento de coágulos para os pulmões e a consequente embolia pulmonar – muitas vezes fatal

Quais os tratamentos disponíveis?
Os tratamentos disponíveis são: tratamento clínico com medicamentos via oral e meias elásticas, tratamento das microvarizes com injeções esclerosantes e laser transdérmico e tratamento das varizes maiores com cirurgia convencional e com laser (endolaser). Em qualquer caso, o tratamento deve ser feito sempre pelo angiologista e cirurgião vascular, médico especialista em doenças vasculares

Existe uma forma de prevenir?
Não existem medidas preventivas objetivas. Se o individuo tem predisposição genética fica difícil indicar formas de prevenção. Sabe-se que trabalhar de pé por muitas horas diariamente, para aqueles que têm predisposição, é um fator acelerador, assim como o número de gestações, obesidade, idade, etc. Não há evidências significativas para se dizer que sapatos de saltos altos provocam varizes

Viajar de avião causa varizes?

pernasNa última década, a aviação comercial se tornou mais acessível a outras camadas da população. A concorrência entre as companhias aéreas e o crescimento do turismo nacional baratearam as passagens. Neste cenário, um assunto muito comentado e discutido anos atrás volta à tona: o passageiro de um avião pode ter problemas nas pernas? Inchaço nas pernas, surgimento de varizes e dores. Até que ponto isto é mito ou verdade?

De acordo com o Prof. Dr. Eduardo Toledo Aguiar, cirurgião vascular membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV) e diretor clínico da Spaço Vascular, o problema não é tão grave assim. “O problema não é viajar de avião. Viagens muito longas em que o passageiro fique sentado na mesma posição por muito tempo em qualquer meio de transporte podem causar inchaço nas pernas e um certo desconforto. Isto acontece também com quem trabalha na mesma posição por muito tempo”, explica o Prof. Eduardo.

Uma pessoa que trabalha o dia todo sentada ou em pé na mesma posição tem mais chance de desenvolver varizes do que o viajante eventual. Para quem tem histórico familiar, as chances aumentam exponencialmente. Portanto, é mito afirmar que viajar de avião causa grandes problemas de circulação nos membros inferiores. “Dor nas pernas, inchaço e um certo desconforto são comuns, mas é exagero associar uma viagem de avião ao surgimento de varizes e outras complicações”, complementa o professor.

Para quem vai ficar muito tempo sentado durante a viagem, algumas dicas podem ser seguidas:

>> Movimentar os pés e os tornozelos para cima e para baixo e em movimentos circulares a fim de estimular a circulação sanguínea;

>> Vestir roupas leves e confortáveis e ingerir muito líquido;

>> Em viagens longas de avião, ‘passear’ pelo corredor e ficar em pé por alguns momentos são boas alternativas ao desconforto;

>> Em viagens de ônibus, ficar em uma posição confortável e descer nas paradas para manter o corpo ativo;

>> Em viagens de carro, é recomendável parar a cada duas horas, descer do carro, alongar o corpo e caminhar um pouco para estimular a circulação;

>> Pessoas com histórico de doenças do sistema circulatório devem procurar o médico vascular antes de viajar.

O uso de meias elásticas de compressão também auxiliam os viajantes. As pessoas que não tem histórico de doenças vasculares podem utilizar uma meia elástica de leve compressão. Para quem tem varizes ou outro problema vascular, o ideal é que o médico indique a meia com a compressão adequada ou adote outra conduta.