Seja uma vegetariana consciente

As mudanças no estilo de vida, visando uma vida mais saudável, levam muitas pessoas a adquirir novos padrões alimentares. O vegetarianismo é um dos mais conhecidos e seus adeptos se dividem em diversos grupos: os estritos que excluem todos os produtos animais de suas refeições; os ovolactovegetarianos cortam somente as carnes; e os lactovegetarianos que eliminam carnes e ovos da dieta.

   “É possível manter uma dieta equilibrada, mesmo fugindo das carnes”, afirma Viviane Borges, nutricionista da Ganep – Nutrição Humana. Mas ela alerta que os vegetarianos estritos são mais vulneráveis a apresentar deficiência de ferro e vitaminas, tais como a B12.

Para repor as fontes de proteínas é aconselhável a ingestão das leguminosas: soja, feijão, lentilha e grão-de-bico; e de oleaginosas, como nozes, castanhas e amêndoas.

No caso de mulheres grávidas, os suplementos vitamínicos podem suprir o aumento da necessidade de ferro, ácido fólico, vitaminas e minerais. O mesmo ocorre durante a amamentação, período em que a necessidade energética diária sofre acréscimo de mais ou menos 200 Kcal.

Alguns exemplos das vantagens do vegetarianismo está relacionada à prevenção de câncer colorretal, de problemas intestinais e controle da dislipidemia não familiar, isto porque com a adoção da dieta vegetariana ocorre aumento do consumo de fibras e de nutrientes antioxidantes, complementa Viviane.

No entanto, até para virar vegetariano é importante cuidado. Em outras palavras, a mudança de cardápio deve ter o acompanhamento de um especialista em nutrição. Isso para evitar problemas como a deficiência de ferro e de vitamina B12, de cálcio e proteínas, que podem ocasionar anemia, osteopenia, osteoporose e queda da imunidade celular, respectivamente.