Verão é a época mais propicia para o aparecimento de herpes

boca1No verão todos se preocupam com a beleza. Lembram-se dos cuidados com a pele e com os cabelos, mas muitas vezes esquecem-se da saúde bucal. Na estação mais quente do ano é necessário também atenção redobrada com os lábios, já que a exposição aos raios solares, em excesso, abaixa o sistema imunológico, propiciando o aparecimento do surto viral do herpes.

O herpes labial, também chamado de herpes simples 1 (causado pelo vírus Herpesvírus humanos), normalmente é contraído durante a infância, mas não se manifesta necessariamente nessa fase. “O herpes aparece dependendo da resistência orgânica de cada um. Porém existem pessoas que têm o vírus no corpo, mas não manifestam a doença em nenhuma fase da vida, pois a imunidade não permite o desenvolvimento da doença”, explica Dr. Sidnei Goldmann, dentista especialista em implantodontia e clareamento.

O herpes é uma doença que não tem cura, depois de contraído ele permanece no organismo e volta a ativar-se em períodos de debilidade, como stress, trauma ou infecções. Além da exposição excessiva ao sol, a herpes também pode aparecer com as baixas temperaturas, fadiga física ou mental, febre e nas mulheres durante o período menstrual.

A doença se manifesta primeiramente como bolhas, que depois de estouradas se transformam em feridas, que causam muito incomodo, irritação, comichão e ardor, durante o período de 10 à 15 dias. “Logo que os sintomas aparecem, o paciente deve procurar seu dentista para o tratamento do vírus. Se não tratado, o vírus pode se espalhar para outras partes do corpo, como olhos e gengivas”, explica Goldmann.

Durante esta estação, em que todos querem ficar com a cor do verão, alguns cuidados devem ser tomados para evitar a “erupção” da doença. “Usar protetor labial com proteção solar, beber muito liquido para hidratar, tomar vitamina C para reforçar o sistema imunológico, ter uma alimentação balanceada, fazer exercícios e ter boas noites de sono, colaboram para deixar a doença inativa”, diz o especialista.

Além disso, para os que não tiveram contato com a doença, a melhor forma de prevenir é evitar beber em copos usados, usar batom de outra pessoa e beijar alguém com a boca ferida. “O vírus do herpes é altamente contagioso e não tem cura, neste caso o melhor remédio é a prevenção”, finaliza Goldmann.

Anúncios

10 perguntas e respostas sobre proteção solar

Com a chegada do verão, milhares de brasileiros correm para garantir o bronzeado e, em meio a praias e piscinas muitos esquecem que existe um vilão neste cenário: o câncer de pele.

Para driblar o problema sem deixar de curtir o sol, que oferece também benefícios à saúde, confira as respostas para as dúvidas mais comuns e os cuidados necessários para manter-se saudável durante e após o verão. As informações são da dermatologista Alessandra Nogueira

1. O que significa o valor do FPS?
FPS é a sigla para Fator de Proteção Solar e indica o grau de proteção da pele contra a queimadura solar. Um FPS 50, por exemplo, mostra que você está 50 vezes mais protegida contra os raios UVB, ou seja, precisa de 50 vezes mais radiação solar UVB para desencadear uma queimadura solar do que se não estivesse usando nada. Isso desde que seja aplicada a quantidade adequada de filtro solar.

2. Qual a diferença entre UVB e UVA? Os dois fazem mal à saúde?
A radiação UVA penetra profundamente na pele, não costuma ter sua intensidade alterada conforme a época do ano ou altitude de cada região e é a principal responsável pelo fotoenvelhecimento. Já os raios UVB são os causadores das queimaduras solares e mudam de intensidade conforme a estação e altitude, ganhando força no verão, em especial entre as 10h e 15h. O UVB está diretamente relacionado ao desenvolvimento de câncer de pele nas áreas corporais fotoexpostas.

3. O FPS protege apenas contra os raios ultravioletas do tipo B?
Sim. O FPS indica apenas o fator de proteção contra os raios UVB. O ideal é usar filtros de amplo espectro, ou seja, que também tenham proteção UVA, que deve ser no mínimo 1/3 do valor do FPS, segundo recomendações da Diretiva Européia, publicada em 2006.

4. Como sei que fator é ideal para proteger minha pele?
Um dermatologista é a pessoa mais indicada para fazer esta indicação com segurança.

5. E como proteger a pele sensível ou com doenças específicas relacionadas à exposição solar?
Peles nestas condições precisam de cuidados específicos. A indústria farmacêutica tem evoluído muito neste sentido, com o desenvolvimento de produtos indicados especialmente para quem sofre de dermatoses (problemas de pele) agravadas ou induzidas pela exposição solar.

6. Ficar na sombra me protege dos raios solares?
Parcialmente. Mesmo na sombra estamos expostos à radiação UVA, principal responsável pela perda de elasticidade da pele, manchas, rugas finas e profundas, características do tão temido fotoenvelhecimento. Para se ter uma idéia da potência dos raios UVA, eles penetram profundamente na pele, atravessam vidros e não são amenizados de acordo com a altitude do lugar, hora do dia ou estação do ano.

7. Existe um horário apropriado para expor-se ao sol?
Sim. Na praia ou piscina, antes das 10h e depois das 15h. Fora desse período, a radiação UVB é mais intensa, causa facilmente queimadura solar, manifestada por vermelhidão, bolhas e descamação na pele. Além disso, está associada ao aumento do risco de desenvolvimento de câncer de pele no futuro. Vale lembrar que a exposição ao sol no período apropriado não dispensa o uso do protetor solar.

8. Quando devo usar protetor solar?
Diariamente. Estudos atuais demonstram os benefícios da fotoproteção diária, com filtros solares de amplo espectro, os quais previnem agressões da pele causadas pelo sol. Além disso, alguns locais refletem luz solar e potencializa a ação do sol, como a água; a neve (85%); superfícies pintadas de branco e asfalto (70%) e; areia branca, (25%).

Nos períodos de exposição mais intensa, como o verão, é necessário aplicar o protetor até mesmo nas partes do corpo cobertas por roupa, pois a radiação UV penetra em tecidos com trama larga e cores claras. Uma camiseta de malha branca seca, por exemplo, oferece proteção entre UPF 5 a 9 apenas.

9. Qual quantidade de protetor solar devo usar?
Para obter uma proteção eficiente, use 35g por aplicação, o equivalente a duas colheres de sopa cheias. Lembrando que o produto deve ser aplicado 30 minutos antes da exposição ao sol e reaplicado a, pelo menos, cada duas horas.

10. É exagero tomar todos esses cuidados em dias nublados?
Não. Em dias nublados, 80% da radiação solar atinge a Terra, ainda que você não perceba a ação do sol no corpo. Por isso, proteger-se é necessário sempre e o uso do protetor solar é indispensável.

Dicas para curtir o carnaval hidratada

carnavalNo verão o corpo pede água e no Carnaval a ingestão de líquidos os cuidados com a pele devem ser redobrados. A exposição aos raios solares é grande e a chance de ter problemas com desidratação e queimaduras de pele aumenta.

A nutricionista funcional Daniela Jobst recomenda uma alimentação especial para o feriado mais animado do País. Veja abaixo quais as dicas para aproveitar sem prejuízos este Carnaval.

Cuidados com a pele
Conheça os benefícios de nutrientes que auxiliam no cuidado com a pele e em quais alimentos podem ser encontrados. A nutricionista ressalta a importância do uso de filtro solar “a alimentação e a proteção exterior se complementam em defesa do corpo e do organismo”, comenta a nutricionista.

1. Ácido alfa lipóico – fator antiinflamatório, menor vermelhidão da pele (PPL pós-sol) e menos cicatrizes.

Alimentos – carnes de aves, grãos e óleos.

2. Apegenina – diminui risco de câncer de pele.

Alimentos – frutas e ervas – cereja, limão, maçã, tomate e brócolis

3. Beta caroteno – antioxidante para a pele, evita manchas pós-sol.

Alimentos – vegetais e frutas de forte tom amarelo/laranja e os vegetais de folhas verdes escuras.

Vegetais amarelos/laranja – cenoura, batatas-doce, abóbora, beterraba.

Frutas amarelo/laranja – melão, papaia, manga, carambola, nectarina, pêssego.

Vegetais de folhas verdes escuras – espinafre, brócolis, endívia, couve, chicória, escarola e agrião.

Outras boas fontes vegetais e frutas – aspargo, ervilha e ameixa.

4. Cacau – possui flavonóides, foto proteção e melhora da superfície da pele e hidratação.

5. Chá verde – antioxidante/ foto protetor contra radiação ultravioleta.

6. Genisteína – anti-carcinogênica para pele, aumenta enzimas antioxidantes.

Alimentos – soja.

7. Licopeno – antioxidante que, quando absorvido pelo organismo, ajuda a impedir e reparar os danos às células causados pelos radicais livres.

Alimentos – tomate, melancia, beterraba, pimentão.

8. Luteína e Zeaxatina – maior hidratação cutânea/ foto protetor/ proteção ocular.

Alimentos – milho e derivados de milho.

9. Romã – menos flacidez, menos rugas, antioxidante e foto protetor (potencializa a ação do protetor solar).

10. Vitamina E – Ação de filtro solar

Alimentos – óleos vegetais (amendoim, soja, palma, milho, girassol, etc.) e o gérmen de trigo. As nozes, as sementes, grãos inteiros e os vegetais de folhas verdes também fornecem vitamina E.

Cuidados com hidratação
Carnaval e verão pedem a ingestão de muito líquido. Conheça os benefícios de cada um e as melhores opções.

1. Água – hidrata com zero calorias

2. Água de coco – hidrata e alimenta com poucas calorias.

3. Chá gelado – hidrata e é antioxidante. Tem substãncias  antienvelhecimento, causado principalmente por exposição aos raios solares. Deve ser tomado sem adoçante, ou pode-se adoçar com adoçantes não artificiais. Não misture com limão que além de manchar a pele no sol, diminui a propriedade das catequinas.

4. Frutas – algumas contêm significativa quantidade de líquido como melancia e melão. Deve-se ingerir três porções ao dia.

5. Isotônicos – se for pular na folia por mais de 2 horas vale a pena, se não opte por outros líquidos devido às calorias.

6. Sucos – os sucos podem também alimentar, assim como a água de coco, mas contem mais calorias. Dê preferência aos naturais aos artificiais.

A nutricionista ainda recomenda refeições leves, mas bem coloridas, desta maneira você garante a ingestão de todos os nutrientes e não perde o pique.

Verão exige cuidados especiais com alimentação

aguaO verão é uma das épocas mais agradáveis do ano e uma oportunidade para rever hábitos alimentares inadequados. Neste período, recomenda-se ingerir alimentos com baixas calorias e evitar os gordurosos. A nutricionista do Hospital e Maternidade Beneficência Portuguesa de Santo André, Drª. Sheila Silva Castro, alerta que nos dias quentes o corpo perde mais líquidos e minerais, em conseqüência da elevação da temperatura corporal e transpiração excessiva, daí a importância de aumentar a ingestão de líquidos.É desnecessário esperar sentir sede para beber água, pois este é um sinal de que o organismo está precisando de reposição hídrica. Quando as perdas são maiores do que a reposição, o organismo desidrata o que ocasiona danos à saúde, em casos extremos, pode ser fatal.

Um adulto chega a perder cerca de 2,5 litros de água por dia no verão, portanto toda a água perdida deve ser reposta, seja na forma pura ou na forma de alimentos, já que existe água em todos os alimentos principalmente nas frutas, verduras e legumes.

A transpiração excessiva leva a perda de sais minerais que podem ser repostos por sucos de frutas e água de coco, além dos isotônicos e repositores hidro-eletrolíticos recomendados para praticantes de atividade física.

Segundo a nutricionista a atenção deve ser redobrada com as crianças e idosos. “Mesmo que a criança não peça é importante que ela beba água, em pequenas porções e que esteja fresca e em temperatura agradável, quatro copos diariamente é o suficiente. Também é importante substituir os refrigerantes pelos sucos naturais de frutas e vegetais, chás e água de coco”, orienta a especialista.

Os líquidos somente devem ser evitados durante as refeições, para não dificultar a digestão.

O clima quente colabora para o consumo de alimentos crus, como frutas, verduras e legumes, onde se encontram vitaminas, minerais e fibras.

Uma opção saudável são as carnes magras, carnes brancas de aves e peixes que proporcionam fácil digestão. O ideal é que estes alimentos sejam cozidos, grelhados ou assados. As frituras devem ser excluídas, pois não combinam com o clima quente do verão.

Abuse das folhas verdes e legumes – de preferência crus – cuidado com o tempero das saladas, evite molhos prontos e maionese, substitua-os por azeite, limão, vinagre e molhos a base de iogurte.

Os cereais integrais são outra boa opção e combinam com saladas e pratos frios. As gorduras vegetais, como azeite, óleo de girassol, canola e soja podem ser utilizados, pois são mais saudáveis do que as gorduras de origem animal.

Para a sobremesa são mais indicadas as frutas ou doces a base delas, picolés de frutas, compotas geladas de frutas e saladas de frutas.

Como no verão a rotina é alterada em conseqüência das férias, torna-se difícil manter uma dieta equilibrada. “Procure deixar a alimentação mais saudável substituindo alguns alimentos, dando preferência aos alimentos frios, crus ou gelados; abuse das saladas, frutas e sucos e fique longe das feijoadas, chocolates, suflês e frituras” sugere a nutricionista.

Na hora do lanche ou almoço opte pelos pães com recheios magros – peito de peru, queijo branco, cottage, peito de frango desfiado, atum em água, sempre acompanhado de salada.

Sucos mais elaborados é uma ótima opção, já que verão não combina com barriga inchada – conseqüência dos refrigerantes – crie e prepare sucos diversos, abacaxi com hortelã, melancia com limão e laranja com maracujá.

Substitua os salgadinhos fritos pelos assados, pois possuem menos gordura.

Algumas dicas devem ser lembradas:
– Consuma carboidrato em 60% das refeições do dia, pois gera energia e ativa o metabolismo;

– Faça entre cinco e seis refeições de pequeno volume por dia estimula o metabolismo e aumenta o gasto energético;

– Beba no mínimo dois litros de água ao dia, hidrata o corpo e auxilia na eliminação de toxinas.

– Evite o consumo excessivo de açúcar, bem como de carnes gordas, queijos gordurosos, molhos à base de creme de leite, maionese, frituras e bebidas alcoólicas.

– Atenção com os alimentos à base de leite, gordura e ovos, pois precisam de refrigeração adequada e o calor aumenta a proliferação de bactérias que causam intoxicação alimentar;

– Evite alimentar-se em locais sem condições de higiene e atenção onde consumir frutos do mar e pescados.

-É comum algumas pessoas sentirem indispostas para se alimentar no verão, isto ocorre em razão de alimentação inadequada como longos períodos sem se alimentar, não alimentar no café da manhã, ingerir alimentos gordurosos ou não hidratar-se durante o dia.

– A época favorece a prática de atividades ao ar livre, inspirando cuidados especiais com a alimentação. A prática de esportes em jejum ou em longos períodos sem se alimentar pode provocar desmaios. O ideal é fazer lanches antes e após os treinos para a manutenção dos estoques de energia e recuperação muscular. Os cuidados com a hidratação também devem ser redobrados e a reposição de líquidos constante, não só durante o treino, mas durante todo o dia.

– Todas estas orientações cabem ainda para aqueles que pretendem cair na folia durante o carnaval, alimentar-se e hidratar-se adequadamente garantem disposição e rápida recuperação para o retorno ao trabalho após o feriado.

O verão e as doenças de pele

maoAlém de férias, calor e praia, o verão traz também o aumento de casos de doenças de pele. Para curtir a estação mais quente do ano sem estes problemas, o dermatologista Cesar Cuono, alerta: “Alguns cuidados como aplicação regular do filtro solar e dos repelentes são essenciais”.

O sol é a nossa maior fonte de energia. É importante na síntese da vitamina D para a prevenção do raquitismo em crianças e osteoporose, principalmente nas mulheres. Porém, seu excesso pode ocasionar queimaduras.

Cada pessoa tem um tipo de pele e, portanto, mais ou menos tolerância ao sol. Quem tem pele muito clara está mais sujeito às queimaduras (vermelhão).

Para evitar, utilize filtros solares de alto FPS (30 ou mais), repasse com freqüência – de duas em duas horas ou sempre após um mergulho. Mesmo assim, não fique exposto diretamente à luz solar. Utilize guarda-sol, bonés ou chapéus.

Esqueceu dos cuidados, paciência! Agora é intensificar a hidratação da pele com cosméticos concentrados e fazer compressa fria com chá de camomila. Se a queimadura for muito intensa, aplique clara de ovo, pois isto possibilita a formação de uma película protetora no local.

É importante ter em mente que o sol, não só promove um envelhecimento precoce (rugas e manchas), como é o maior responsável por desencadear câncer de pele. E não se engane, o Melanoma, é um câncer de pele e um dos piores tumores que podemos ter.

Micose
Micoses são infecções provocadas por fungos que adoram o calor e a umidade. É de dezembro a março, período em que freqüentamos mais as praias e temos maior contato com eles. Porém, só com o suor provocado pelo aumento da temperatura, podemos apresentar “frieiras” entre os dedos dos pés, descamação nas plantas dos pés e “assaduras” na região da virilha. Tudo isto, mesmo sem ir à praia.

Para prevenir, o ideal é usar roupas leves, de preferência de algodão. Sempre que possível aplique talco ou amido de milho (maizena) nessas áreas para manter o local seco.

Herpes
Também freqüente nessa época, a Herpes Simples Recidivante aparece porque o sol, em excesso diminui a imunidade da pele e reduz células de defesa da derme, deixando as pessoas portadoras do vírus mais susceptíveis ao aparecimento das lesões. A dica é usar muito filtro solar, não se esquecendo dos lábios.

Fitofotodermatose
Na hora de se refrescar com um delicioso suco de limão ou com a famosa caipirinha, é importante lembrar que o contato da fruta destas bebidas na pele, junto com a exposição solar provoca queimadura, a Fitofotodermatose. Por isso, a atenção deve ser redobrada.

O limão tem a substância furocumarina, que é um potentíssimo bronzeador, ou sensibilizante da pele ao sol. Essas lesões podem ser de até terceiro grau, com cicatrizes deformantes, dependendo do tipo de pele e da exposição a que se submeteu.

A dica é nunca mexer com o limão diretamente no sol. Antes de se expor, lave bem as mãos com bastante água e sabão, e também o tronco, se estiver sem camisa, porque ele espirra quando espremido. As frutas cítricas e, também, o figo e o caju podem ter o mesmo efeito.

Dr. Cesar conclui que com estes cuidados suas férias serão mais gostosas e ressalta: “Não se automedique. Ao primeiro sintoma das doenças, procure um dermatologista para diagnóstico e tratamento adequados”.

Tipos de pele e as consequências do sol

solTomar sol é um bom negócio dependendo das precauções tomadas. Segundo o chefe do Serviço de Pele e Melanoma do Hospital Erasto Gaertner, Marcos Montenegro, de Curitiba, a literatura médica aconselha tomar 15 minutos de sol, três vezes por semana, na prevenção da osteoporose e para ativar a melanina, defesa natural do corpo.

Segundo o especialista “devia-se proibir a exposição solar das 12h às 15h”, pois neste horário atenuam-se os efeitos dos raios RUV B, principal causador do câncer de pele.

Para obter uma pele bronzeada e saudável é preciso partir para a exposição gradativa, começando com 15 minutos. Desta maneira o corpo irá bronzear produzindo melanina. “Mesmo quem vai tomar sol é preciso se proteger com protetor solar FPS 30 ou acima, reaplicando a cada duas horas”, explica.

Para cada pele existe um fator maior ou menor de risco, chamados Fototipos – que informam a capacidade de sol que cada tonalidade pode ser exposta. “Pessoas com pele clara ou com mais de 50 anos o risco é maior para desenvolver câncer de pele numa exposição imprudente”, classifica o Dr. Montenegro. Por isso, é imprescindível o uso de chapéu ou boné protegendo a face e as orelhas, blusa e camisas com mangas e calças compridas.

Fototipos
O câncer de pele acontece por uma ação acumulativa e está ligada a tonalidade da pele de cada pessoa, veja os exemplos:

Grau I – Albino
Queima com facilidade, nunca bronzeia
Muito sensível

Grau II – Branca
Queima com facilidade, bronzeia muito pouco
Sensível

Grau III – Morena Clara
Queima moderadamente, bronzeia moderadamente
Normal

Grau IV – Morena Moderada
Queima pouco, bronzeia com facilidade
Normal

Grau V – Morena Escura
Queima raramente, bronzeia bastante
Pouco sensível

Grau VI – Negra
Nunca queima, apenas bronzeia
Pouco sensível

Sol demais, pele descascada. O que fazer?

sol1Com a chegada do verão e muitos dias na praia, é comum a pessoa se descuidar, esquecer do protetor e ficar exposta em demasia aos raios solares. Resultado: pele descascada e bronzeado horrível.”Quando chega neste estágio é porque a pele foi muito agredida, gerou uma queimadura e está se refazendo”, explica Dr. Cesar Cuono, médico dermatologista de São Paulo.

A pele descascada precisa de atenção especial, pois há exposição mais profunda e ela fica sujeita à novas queimaduras ou até infecções.

Se a lesão é intensa, podem aparecer bolhas de água, provocadas por queimadura direta do sol, como se fosse com água quente. Porém, o suor por baixo da pele descascada também forma bolhas, mesmo quando há pouca exposição.

Para evitar o problema, a dica é usar protetores fortes e diminuir a exposição ao sol. Dependendo do grau da bolha, é imprescindível a análise de um médico para identificar o tratamento. “Se possível, não estoure. Caso isso aconteça, lave bem a região com água e aplique pomadas cicatrizantes”, explica.

No processo de descascamento, a pele coça bastante. Para evitar isso, é necessário hidratar. “Ás vezes, é recomendado o uso de uma loção ou creme com cortisona”.

Dr. Cesar ressalta que neste período não se deve tomar sol, pois aumenta a agressão e pode provocar o início de câncer de pele, ou, no mínimo, manchas.

E nem pensar em puxar a pele que está se soltando. “Se existe uma casca ou pele que está aderida, é porque ainda não houve a cicatrização embaixo dela. Aguarde que a mesma saia sozinha. O que pode ajudar é passar cremes hidratantes ou óleo de amêndoas, por exemplo”, conclui Cesar Cuono.